top of page

Redário

egas

Dança / Performance / Instalação / Site Specific

Rendas / Diálogos / Oficinas / Vivências

dança + artes manuais + fios em movimento

{Jandiras} é um trabalho que costura a dança, a arte têxtil e a poesia para falar sobre ancestralidade, sobre o tempo e sobre a delicadeza das relações. O corpo e as linhas como ferramentas de encontro, diálogo, cuidado, respeito, memória, ritual e política.

A partir de um contexto feminino, fala sobre as relações que estabelecemos com o mundo, com as pessoas e com nós mesmos. Como tudo está conectado por uma delicada renda social. Como o território e sua história nos atravessa. Como nos influenciamos e nos afetamos o tempo todo. E como nosso corpo se expressa, se relaciona com tudo isso e se modifica o tempo todo. Adaptabilidade e escolhas.

Dança, performance, rendas, diálogos, cursos, vivências... { Jandiras } é um trabalho que se desdobra em vários formatos e que fala sobre a poética de nossas cicatrizes, sobre a potência de cura e a adaptabilidade do corpo. Rendas e trabalhos manuais como forma de criação de diálogos e de comunidades saudáveis. A arte como ritual, território sagrado e um corpo-lugar político


​​​

{ Jandiras } - teaser 2023

{ Breve Histórico }

 

O trabalho nasceu no primeiro semestre de 2017, após convite para a abertura da mostra Fio da Meada, realizada no espaço The Mix Bazar (Campinas/SP) e que reuniu importantes artistas plásticos paulistas ligados ao contexto de criações com linhas e fios. Hellen Audrey, que também atuou como curadora do projeto, concebeu o híbrido de espetáculo de dança e instalação { Jandiras } - mesmo nome da exposição com suas obras, inspiradas em rendas contemporâneas e na renda nhanduti. Desde então, o trabalho tem circulado por diversas unidades do SESC SP, em cidades como Campinas, Bauru (na ocasião da abertura da exposição Geringonças do Mestre Molina), Ribeirão Preto, São José dos Campos e São Paulo. Em 2018, o trabalho foi convidado para integrar a programação do Circuito Cultural Paulista, passando por cidades como Santa Fé do Sul, Votuporanga, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Em 2020, Hellen Audrey teve suas obras Jandiras #33 e Jandiras #34 selecionadas para integrar a 15ª Bienal Naïfs do Brasil – Ideias para adiar o fim da arte, do SESC São Paulo, com curadoria de Ana Avelar e Renata Felinto. Além de receber Menção Especial, a artista foi convidada, em junho de 2021 para realizar oficinas relacionadas à temática de { Jandiras }, além de fazer uma montagem do espetáculo - no formato de videodança, em meio ao espaço expográfico da Bienal.

Em maio de 2022, { Jandiras } foi convidado pela Virada Cultural da capital paulista para ser apresentado em formato de instalação/site specific no Arquivo Histórico Municipal, em pleno diálogo com a arquitetura do prédio.

20180502_Performance_Jandiras_Foto Julio Ricco_3632.jpg

espetáculo de dança

performance

instalação de linhas

site specific

{      }

jandira33.jpg

artes têxtil

rendas

manualidades

exposições

{      }

Jandiras - Oficinas - Foto 1 - Hellen Audrey - acervo pessoal.jpg

 

oficinas

vivências

{      }

{ Jandiras } na 15ª Bienal Naifs do Brasil (2020-21)
videodança / site specific

{ Diversas Formas de Jandiras }

{ Jandiras } na Virada Cultural 2022
 performance / instalação / site specific
{ Jandiras } no SESC São José dos Campos espetáculo de dança / intervenção
jandira33.jpg
Jandira #33 | Hellen Audrey
(Renda nhanduti, crochê e macramê)
Menção Especial - Bienal Naifs 2020
bottom of page